27.9.14

É muito

Não vou ser mais que aquilo que sou, sê-lo significaria explodir. Ser mais do que sou é como ter mais tralha do que espaço, saltar por cima, tropeçar e cair, fazer do espaço um atafulhamento de mim. Não vou ser mais nem menos do que sou porque a balança deve estar com o fiel afinado, arranjado, equilibrado, pacífico e absolutamente ele. E agora? Não cresço? Agora cresço com o que faço a partir do que sou, sem transbordar o tacho que me deram e com o qual cozinho os ingredientes que invento. É só isso? É muito.

Tiago Taron

Sem comentários:

Publicar um comentário