30.6.09

À PORTA DO PRÉDIO


Keith Haring

Nem sempre a chuva causa transtorno. Na cidade, os dias de chuva e lazer são os dias em que se dança à porta do prédio, com os ténis do ginásio e a blusa transpirada.

28.6.09

38 - KEITH HARING



4 de Maio de 1958. 16 De Fevereiro de 1990.
Artista gráfico. O Seu trabalho reflecte a cultura nova-iorquina dos anos 80.
Nascido no estado de Pensilvânia, cedo mostra interesse pelas artes plásticas. De 1976 até 1978 estuda design gráfico numa escola de arte em Pittsburgh. Antes de acabar o curso, transfere-se para Nova Iorque, onde será grandemente influenciado pelos graffitis, inscrevendo-se na School of Visual Arts.


Keith Haring começa a ganhar notoriedade ao desenhar a giz nas estações de metro de Nova Iorque. As suas primeiras exposições formais acontecem a partir de 1980 no Club 57, que se torna um ponto de encontro da elite vanguardista. Na mesma década, participa em diversas bienais e pinta diversos murais pelo mundo.

Em 1988, abre uma Pop Shop em Tóquio. Na ocasião, afirma:
"Na minha vida fiz muitas coisas, ganhei muito dinheiro e diverti-me muito. Mas também vivi em Nova Iorque nos anos do ápice da promiscuidade sexual. Se eu não contrair HIV, ninguém mais contrairá."
Meses depois declara em entrevista à revista Rolling Stone que tem o vírus HIV. Cria a Keith Haring Foundation, em favor das crianças vítimas de sida.

Em 1989, perto da igreja de Sant'Antonio Abate, em Pisa, Itália, executa a sua última obra pública – o grande mural intitulado Tuttomondo, dedicado à paz universal.

Haring morre aos 31 anos.

26.6.09

PERCEPÇÃO


José de Guimarães

Nos dias de menor calor, a minha percepção da realidade volta ao normal. Julgo.

25.6.09

ERUDITO E PORNOGRÁFICO


Traz o sorriso dentro de um bolso. Usa-o em correcta medida. Cansa-se em corridas pela cidade, coisa de muita importância para quem acredita. Entra na sala cheia de poucas pessoas e encosta-se ao balcão. Ao canto olha melhor para todos. A tatuagem escondida na perna significa muito, tudo.
É cordial. Tira o sorriso do bolso quando a conversa inquieta. Escolhe o momento. Em silêncio diz que está, para continuar o caminho ou para travar a fundo.
Todos os dias de manhã, o copo de leite serve de desculpa. Bebe em goles pequenos, enquanto olha para o que à volta lhe interessa. Coisa pouca o interrompe. Dentro, para lá da cara bonita e do corpo vitaminado, existe outro, bem mais inteiro.
A gargalhada é ferramenta de trabalho e de alguma defesa. Encetou vida muito cedo, construiu valores sólidos. Olha para a frente com a convicção conduzida pelas pernas que correm todos os dias.
As mãos são sinal de um trabalho na alma e na terra, capaz de agarrar mundos distintos. Quando pega no copo cheio do que pediu e lhe foi concedido, percebem-se as intenções.
A atitude ocupa espaço. Perto de quem se encosta ao balcão, a energia é diferente. Agora é tempo de convívio, pensa. Ouvem-se dislates e todas os risos se soltam, todos os corpos balançam. A sala alheia-se do que, no canto, acontece. Melhor assim.
Olha nos olhos de quem lhe fala. Atento. Disse-me, um dia, que a erudição e a pornografia se podem ver no sorriso das pessoas. Assenti.

24.6.09

OBRAS


José de Guimarães

Não me bastava a alergia, o nariz a pingar, a tosse e a falta de paciência, ainda insistem, os energúmenos das obras, em por-me a cabeça doida todos os dias com martelos, picaretas e trepidações. Apre!!

23.6.09

ALERGIA


José de Guimarães

Há reacções alérgicas que impossibilitam a escrita.

20.6.09

FESTA


José de Guimarães

Em festa. Coisa de muita importância. Final de ano lectivo para pequenos seres que riem.

19.6.09

NADA PARA DIZER


José de Guimarães

O calor que se faz sentir e que, na pele, derrama, pode muito bem ser motivo de não ter mais nada para dizer.

18.6.09

37 - JOSÉ DE GUIMARÃES




Nasceu em 1939. José de Guimarães é considerado um dos principais artistas plásticos portugueses de Arte Contemporânea.
Com uma obra notável, particularmente na pintura, fez também incursões na escultura e noutras actividades criativas a nível estético, quer nacional, quer internacionalmente.
Na sua obra, a cor desempenha um papel fundamental e a sua temática principal é o corpo humano.Um dos mais galardoados estetas portugueses, José de Guimarães encontra-se representado
em museus e colecções públicas espalhados por todo o Mundo.

17.6.09

GRITO


Cara Amiga;



Peço-te desculpa. Não tens que ler nem gerir as palavras que escrevo. Não tens sequer que dispor do tempo para mastigar o que não é teu. “Do silêncio faço um grito, que o corpo todo me dói”, oiço em manhã cheia de nuvens, como convém aos poetas, aos que sofrem, aos que fingem, aos que roem palavras em silêncio.

Esta carta é para alguém que ouve, sabe ler e sente. Estes parágrafos são os de quem não tem sede do que já foi, de quem usa a poesia para cobrir a epiderme. Apenas.

Não me peças para explicar porque te escrevo, não sei. Em pedaços de manhã com um sumo de laranja e um queijo fresco em pão saloio, pude verificar que os ouvidos de alguém estão despertos. Talvez a vida nos leve para perto dos que estão em energia densa e completa de esperança. O tempo do desencanto profissional é, também, o tempo do projecto que fervilha em neurónios inquietos.

Poucas vezes percebi pessoas como eu e não sei se isso é bom ou mau. Não interessa. Sou muito mais do que fui e isso leva-me a lugares que ainda não vi, quero ir. A vida depois dos quarenta adensa-se, fica muito mais quente.

Talvez a ausência me tenha feito sentar aqui, numa manhã depois de treino intenso em máquinas estúpidas, e antes do cheiro posto no corpo preparado para sair.

Estas palavras são importantes. Tenho ideias espalhadas numa cabeça lúcida, tão lúcida que me assusta. Acredito que a lucidez pode levar à loucura. Entre os dois estados me tento manter para que a sobrevivência seja possível e saudável.

Estou óptimo, não te assustes. Fui ler o texto acima e pareceu-me deprimente. Não o é. Partilho um estado de alma, se me permites. Coisas de gajo sem mais nada para fazer.

Vou ver o vento.
Um beijo.
A.

16.6.09

PARTO ORGÁSTICO

Foi em casa, dentro de água, que Amber Hartnell deu à luz. Ria e chorava. O parto durou doze horas, oito das quais em estado de êxtase. Vagas orgásticas acompanharam a mulher que afirma nunca ter tido um prazer tão forte. Não fez preparação para o acto mas pratica ioga e meditação para que o corpo permaneça aberto e flexível.

Esta mãe figura no documentário “orgasmic birth” projectado no mundo inteiro. As reacções são diversas, entre o horror e a admiração, há quem se pronuncie contra o prazer no acto de parir. O corpo deve abandonar-se o mais possível para que o sofrimento menorize mas, defendem alguns, quem tem orgasmos no parto deve ir ao médico. Chegam-se a fazer afirmações do tipo: “não gostaria de pensar que a minha mãe gozou ao dar-me à luz”.

Amber tem recebido inúmeras mensagens de grávidas que pensam mudar os seus planos de parto após terem visto o documentário. Muitas mulheres garantem ter tido orgasmos durante o trabalho de parto em casa. Trata-se de um parto não assistido, natural, sem medicamentos nem anestesias químicas. Só neste ambiente as mulheres podem atingir o êxtase porque é necessário um clima de tranquilidade que transmita segurança, sem interrupções, como quando se faz amor. A cada esforço de expulsão, a pressão da cabeça do bebé pode provocar sensação inesperada de excitação sexual, explica Sheila Kitzinger, guru britânica do nascimento.

Afirma ainda a realizadora do documentário, Debra Pascali Bonaro que a capacidade da mulher sentir um prazer físico intenso é o “segredo mais bem guardado de sempre”. Parece que dar à luz não é assim tão diferente de ter relações sexuais, defende mestra de parteiras na Universidade do Vale do Tamisa.

Experiências de êxtase em momentos que se espera serem de dor baralham referências. A ideia de um orgasmo no parto confunde modelos culturais e comportamentais. Não me parece abusivo afirmar que a natureza presenteia as que, em atitude paralela, vivem momentos únicos.

15.6.09

DEBAIXO DE OUTRO SOL


Chirico

Regressei. Dois livros lidos e muito silêncio. Voltam os dias e as noites. Sob o sol e a lua de Lisboa.

9.6.09

INTERVALO


Vou-me embora. Depois das festas, este blog volta ao movimento diário das palavras. Fica um texto magnífico. Tenho pena de não o ter escrito.

Foda-se
Millôr Fernandes (Adaptado)

O nível de stress de uma pessoa é inversamente proporcional à quantidade de "foda-se!" que ela diz. Existe algo mais libertário do que o conceito do "foda-se!"? O "foda-se!" aumenta a minha auto-estima, torna-me uma pessoa melhor. Reorganiza as coisas. Liberta-me. "Não quer sair comigo?! - então, foda-se!" "Vai querer mesmo decidir essa merda sozinho(a)?! - então, foda-se!" O direito ao "foda-se!" deveria estar assegurado na Constituição.

Os palavrões não nasceram por acaso. São recursos extremamente válidos e criativos para dotar o nosso vocabulário de expressões que traduzem com a maior fidelidade os nossos mais fortes e genuínos sentimentos. É o povo a fazer a sua língua. Como o Latim Vulgar, será esse Português Vulgar que vingará plenamente um dia. "Comó caralho", por exemplo. Que expressão traduz melhor a ideia de muita quantidade que "comó caralho"? "Comó caralho" tende para o infinito, é quase uma expressão matemática.

A Via Láctea tem estrelas comó caralho!
O Sol está quente comó caralho!
O universo é antigo comó caralho!
Eu gosto do meu clube comó caralho!
O gajo é parvo comó caralho!
Entendes? No género do "comó caralho", mas, no caso, expressando a mais absoluta negação, está o famoso "nem que te fodas!". Nem o "Não, não e não!" e tão pouco o nada eficaz e já sem nenhuma credibilidade "Não, nem pensar!" o substituem. O "nem que te fodas!" é irretorquível e liquida o assunto. Liberta-te, com a consciência tranquila, para outras actividades de maior interesse na tua vida. Aquele filho pintelho de 17 anos atormenta-te pedindo o carro para ir surfar na praia? Não percas tempo nem paciência.
Solta logo um definitivo: "Huguinho, presta atenção, filho querido, nem que te fodas!".
O impertinente aprende logo a lição e vai para o Centro Comercial encontrar-se com os amigos, sem qualquer problema, e tu fechas os olhos e voltas a curtir o CD (...)

Há outros palavrões igualmente clássicos. Pense na sonoridade de um "Puta que pariu!", ou o seu correlativo "Pu-ta-que-o-pa-riu!", falado assim, cadenciadamente, sílaba por sílaba. Diante de uma notícia irritante, qualquer "puta-que-o-pariu!", dito assim, põe-te outra vez nos eixos. Os teus neurónios têm o devido tempo e clima para se reorganizarem e encontrarem a atitude que te permitirá dar um merecido troco ou livrares-te de maiores dores de cabeça. E o que dizer do nosso famoso "vai levar no cu!"? E a sua maravilhosa e reforçadora derivação "vai levar no olho do cu!"? Já imaginaste o bem que alguém faz a si próprio e aos seus quando, passado o limite do suportável, se dirige ao canalha de seu interlocutor e solta: "Chega! Vai levar no olho do cu!"? Pronto, tu retomaste as rédeas da tua vida, a tua auto-estima. Desabotoas a camisa e sais à rua, vento batendo na face, olhar firme, cabeça erguida, um delicioso sorriso de vitória e renovado amor - íntimo nos lábios. E seria tremendamente injusto não registar aqui a expressão de maior poder de definição do Português Vulgar: "Fodeu-se!". E a sua derivação, mais avassaladora ainda: "Já se fodeu!". Conheces definição mais exacta, pungente e arrasadora para uma situação que atingiu o grau máximo imaginável de ameaçadora complicação?

Expressão, inclusive, que uma vez proferida insere o seu autor num providencial contexto interior de alerta e auto-defesa. Algo assim como quando estás a sem documentos do carro, sem carta de condução e ouves uma sirene de polícia atrás de ti a mandar-te parar. O que dizes? "Já me fodi!" Ou quando te apercebes que és de um país em que quase nada funciona, o desemprego não baixa, os impostos são altos, a saúde, a educação e … a justiça são de baixa qualidade, os empresários são de pouca qualidade e procuram o lucro fácil e em pouco tempo, as reformas têm que baixar, o tempo para a desejada reforma tem que aumentar … tu pensas “Já me fodi!”.

Então:
Liberdade,
Igualdade,
Fraternidade
E foda-se!!!
Mas não desespere:
Este país … ainda vai ser “um país do caralho!”
Atente no que lhe digo!

8.6.09

7.6.09

Eleições

yesssssss!!

CUSPIR A MORTE


Chirico

Os que têm olhos postos no nada e percorrem ruas de uma cidade pouco vivida. Os que vivem como se o amanhã não fosse e o ontem não tivesse existido. Não te deixes ir com eles, não adormeças no formigueiro dos que se entregam à vida gelatinosa que subsiste nas veias cansadas dos que morrem a caminho, dos que não respiram a literatura, não ouvem a música e pensam em si como coisa feita.
Não te deixes morrer à espera do fim, da noite sem conteúdo ou do dia sem tempero. Grita. Esfrega a alma nas costas. Levanta-te. Carrega a abundância das perguntas, dos relatos, das palavras e dos bolos cheios de recheio de chocolate negro.
Não te deixes ir com eles, não cales, não adormeças na matéria, não te afogues em mentiras. Olha, deita a língua para fora, troça do imbecil que quer ser imbecil, ri-te do tolo que quer ser tolo, ignora o estúpido que faz gala em ser estúpido. Caminha com as costas direitas.
Não te deixes morrer no tédio. Não te afundes. Faz dos braços instrumentos de boa empreitada.
Quando cuspires a morte que te persegue e o pó que te invade, perceberás a urgência do grito e do espanto.
Os que têm olhos postos no nada e percorrem ruas de uma cidade pouco vivida, os que estão como se o amanhã não fosse, os que morrem vivos, os que comem pão endurecido pela raiva, os que mastigam palavras usadas, os que se curvam ao vulgar dos gestos, os que vomitam tristezas, os que correm atrás de tudo o que se não pensa, os que não riem de nada, os que se gabam da desgraça, os que fazem pouca ginástica, os que pouco querem, os que pouco são, os que pouco pensam, os que pouco pensam. A todos desejo o que se não vê, por impedimento ou distracção.

3.6.09

36 - GIORGIO DE CHIRICO



Após estudar na Grécia e em Munique instala-se em Paris, onde estabelece fortes relações de amizade com Apollinaire. No início dos anos 20, a sua obra obtém um êxito considerável nos meios vanguardistas. Em 1925, participa na primeira exposição surrealista. Posteriormente, e para surpresa geral, exalta-se por um academismo vácuo que cultiva durante o resto da sua longa vida.
A pintura metafísica de Giorgio de Chirico antecipa elementos que aparecem depois na pintura surrealista: padrões arquitectónicos, grandes espaços nus, manequins anónimos e ambientes oníricos. Do dadaísmo, os pintores surrealistas e, com eles, De Chirico, herdam directamente as atitudes destrutivas e niilistas. O que o próprio artista qualifica de «pintura metafísica» corresponde à necessidade de sonho, de mistério e de erotismo próprios do surrealismo. E assim, desde que este movimento vê a luz, a obra de De Chirico conhece um êxito considerável.