20.12.13

Dobras e gritos (53)

Sei sentir-me parada, com os dedos postos em outras tarefas. A escrita tem ficado fora de mim, como se algum degrau me impedisse de continuar, como se uma corrida ainda não tivesse começado. É preciso tempo para destravar o que emperra. A vida às vezes emperra. Vou buscar óleo.

Sem comentários:

Publicar um comentário