15.10.09

DEPOIS DE SALVADOR


Não recebia notícias de Salvador há alguns anos, agora a pergunta caia na saudade enterrada fazendo-a reaparecer. Com as mãos pousadas no telefone, hesitou responder, pensou ser melhor deixar o tempo dizer-lhe que o tinha esquecido. Levantou-se e foi lavar os dentes, limpar o rosto e colocar o creme de noite. Fechou o tampo da sanita e apagou as luzes do apartamento. Atravessou o corredor várias vezes, sacudiu os braços sem saber bem o que fazer. Pensou desligar o telemóvel, talvez pô-lo no silêncio. Em vez disso, escreveu: Amanhã às onze.

Sem comentários:

Publicar um comentário