23.2.11

OUTRA CASA

No dia em que chegou cedo, apontou para a porta. A chave cabia mal na ranhura. Fez força. Rodou a chave com dificuldade e entrou. Lá dentro, o escuro era longo e a luz estava longe demais. Pousou o saco e tacteou até à cozinha. Depois de abrir a janela percebeu que aquela não era a sua casa.

1 comentário:

-pirata-vermelho- disse...

Isto sim, pode ser solidão...
ou!
uma engraçada reinvenção

Publicar um comentário