17.11.12

O mesmo elevador de ontem

Esteve parado no 14º andar, à espera que os desejos se transformassem. A vontade acompanhou a manhã e a chuva por cima dos corpos despertos e cansados. O rio estava no mesmo lugar, como tudo o que se mantém, quando o tempo não altera os passos nem pousa em cima dos pés.

Sem comentários:

Publicar um comentário