17.1.12

Sumo branco

Não te esqueças do corpo e do peso, do suor e do berro, de todo o movimento que buscas no desassossego do chão desarrumado. Não te esqueças que o dia vai nascer. Arranca de mim os sentidos e faz com que me apegue à alma que me devora. Nunca mais que  o corpo, quando o cheiro impregna a cama e todas as ideias se esvaem em sumo branco.

Sem comentários:

Publicar um comentário