17.4.12

Depois

Depois vem o homem calmo dentro de um carro. Depois vêm as palavras serenas e os impulsos reprimidos. Depois vem a sensação de liberdade, ao volante de um duro entendimento das coisas bonitas que ficam longe. Depois vem a noite e o vento e a chuva e o vinho que dança. Depois vem a manhã fria, dentro dos cobertores com corpos cansados. 



1 comentário:

Enviar um comentário