5.9.08

AFECTOS


(Manuela Pinheiro)

Às vezes, a forma como respiramos é sentida na força de um abraço ou na ténue incerteza do que se revela. Aos afectos se devem as verdades que o corpo não desmente.

Sem comentários:

Publicar um comentário