22.10.08

OS BRAÇOS DOS DIAS QUE NÃO VIERAM


Brandi Carlile - The Story

Hoje deveria estar em frente ao mar, olhar para as algas verdes com a ilusão de um encarnado de sangue. Hoje deveria estar em pé, em frente ao vento cortante, com a ilusão de um cheiro longínquo. O dia do começo, do grito, da força, das pernas em arco, da vida pequena, da fragilidade a prometer força, da família reunida à volta do berço, da avó que ri e pega ao colo, da mãe com lágrimas salgadas e da irmã menina com medo dos beijos que podem fugir.
Hoje deveria estar quieta, com o pensamento a nascer, de novo, como se fosse possível voltar ao dia em que vi a luz e chorei. Julgo que foi um dia de sol, entre ruas estreitas espreitei quem, em mim, operou algum destino. Entre pedras de calçada gasta, vim ao mundo nua, suja, cheia de sangue e calor. O meu pai pôs em mim o riso e a minha mãe, o pranto desmanchado e quente. Os vizinhos correram a levar a nova a amigos próximos e conhecidos íntimos. Julgo que foi um dia de sol, entre a cama castanha e a cómoda com gavetas arrumadas. A parteira não se cansou, foi limpo, como quando se quer tirar do forno o cabrito pronto. Parece-me que ninguém se queimou, não houve reclamação de que era gorda, magra, feia ou bonita. Nasci com a calma de um meio-dia em ponto, marcada a hora de respirar, sem água.
Hoje deveria estar perto do mar, a lembrar-me do dia em que me puxaram para fora e me ensinaram a comer, a lembrar as primeiras horas de sono em lençol e o primeiro banho de sabonete cor-de-rosa que a minha mãe comprava na mercearia de uma avó austera com sorriso sofrido.
Hoje, no dia em que continuo viva, vou estender-me na relva a olhar para a finitude do que já experimentei. Depois correr, correr para os braços da história que ainda falta contar!

In: PnetMulher

3 comentários:

Unknown disse...

Lendo o texto, que é belo, de que gosto, concluo que a Dobra fez anos, ontem. Se estou a interpretar bem, tenho pena de não o ter lido ontem. Ontem, diria: parabens. Que bom estar viva para ver este belo mundo, este belo mar. Mas, se interpreto bem, acho que ainda vou a tempo: parabens, um abraço. De um escorpião para uma escorpiona. Felicidades.
EA

Anónimo disse...

Obrigada. Apenas uma ressalva: sou balança, ainda bem :)

Unknown disse...

Essa do... ainda bem!...dava pano para mangas...com muitas " dobras! " ...

EA

Publicar um comentário