1.12.08

AINDA


Ainda me contento, ainda me desperto. Ainda me permito ser o que procuro. Ainda vejo o norte, ainda me inquieto. Ainda me permito ao sonho do que não tenho.

Sem comentários:

Publicar um comentário