20.11.08

A TRANSPARÊNCIA DOS SUSPIROS

No canto, ao fundo, as pessoas riam. A mesa quadrada tinha a forma das conversas. Sempre que um copo chegava, o riso subia de tom. Todos estavam lúcidos, todos estavam bem. A noite chegou muito escura e o bar encheu-se de ausências. Saíram os que tinham dito verdades incómodas, deixaram em cima do quadrado da mesa, a transparência dos suspiros.

Sem comentários:

Publicar um comentário